» a começar a jornada

#00023

Um dos blogs que visito pela manhã é o Jornada. Blog pessoal de jornalista, é um daqueles espaços onde, em textos curtos, podemos ler as notícias pequenas que ninguém lê, a par de reflexões rápidas e frequentemente incisivas acerca dos principais assuntos da actualidade. Quando não reflecte, propõe a reflexão, o que gosto ainda mais.

A língua e a pátria é um bom exemplo disso. Segundo o Filinto, embora não tenha opinião formada acerca do assunto, considera que a língua, para além do nascimento, seja uma boa fronteira para a definição de nacionalidade.

Quanto à língua, existe uma citação romana pré-cristã que nos diz, mais coisa menos coisa, que um homem é tanto mais superior quanto o número de línguas que fala. Os antigos romanos são, neste campo, um exemplo a seguir. Na realidade, num contexto “globalizador” como era o da Pax Romana, não só foram capazes de articular o poder e culturas locais com o governo central, como souberam, em grande parte, aculturar-se nas regiões conquistadas. Não era por acaso que, depois de uma vida de guerra, os combatentes romanos tinham, como prémio, um pedaço de terreno da terra onde estivessem. Espalhar Roma geneticamente era também um objectivo e, muito cedo, a miscigenação começou. A das línguas também.

A relação de poder que existiu nesses tempos fez com que, acima de quase todas as outras línguas, sobrevivesse a latina. A escrita, o correio, a circulação de informação assim o ditaram. Ou seja, a par dos romanos que agiam localmente, os povos conquistados eram, por definição, romanos. Talvez tenha sido a primeira vez que se tenha dito “Think global, act local”.

Hoje as coisas não diferem muito desses tempos. A globalização continua, a Pax Americana existe, novos impérios orientais e ocidentais, novos ditadores e novos pensadores dão um formato um pouco à imagem dessa época. Talvez o Mundo não mude assim tanto, afinal.

No entanto, existem coisas que são diferentes desse tempo. Se os romanos respeitavam a língua e os deuses locais, ao que assistimos agora é, frequentemente, o contrário. Atente-se, por exemplo, no que se passa em Espanha com a línguas consideradas “dialectos” como o Galego, o Basco ou o Catalão. Na realidade, é aqui que a ideia que o Filinto tem assume os seus mais nítidos contornos, é em situações como esta que a língua é, realmente, uma fronteira, uma definição de nacionalidade.

Por outro lado, os surtos migratórios cada vez maiores provocados ainda e uma vez mais pela globalização, exigem uma nova definição de nacionalidade. Nacionalidade é relativa a onde nascemos ou onde vivemos? Nada impede que tenhamos duas, ou três… à futebolista. Mas creio que, neste caso, os ingleses têm razão.

Uma das principais causas de exclusão social é o ghetto. Eles chegam, vê-se a “etiqueta de origem” e é-lhes destinado um local “junto dos seus”. Estes locais são bairros sociais ou de lata [dos que já naõ existem] e são sítios onde os diferentes grupos se isolam. Falam todos a mesma língua dentro do grupo e, frequentemente, não falam a língua do país onde estão. Em Portugal isso verifica-se cada vez mais e o exemplo mais gritante que conheço é o da comunidade chinesa.

Os recentes acontecimentos de Paris ensinam-nos como o ghetto é perigoso. E num mundo com cada vez menos fronteiras físicas, sem fronteiras financeiras, um mundo onde o dinheiro corre de mão em mão e milhares correm atrás do dinheiro, a língua é realmente cada vez mais a pátria de quem a fala. A distinção entre iguais é quase uma necessidade absoluta.

Evitar o perigo neste contexto é ensinar aos imigrantes as ferramentas básicas de comunicação para que possam, rapidamente, integrar-se no mundo que os rodeia e que é, afinal de contas, a sua nova casa. Chegarem cá e aprenderem a língua, noções básicas da cultura do país e os principais rudimentos legais e da Constituição da Republica é o primeiro passo para se reconhecerem como cidadãos de pleno direito e se recusarem a uma vida no ghetto.

Anúncios

  1. espacoauryn

    Parabénss!! muito dez o seu blog , gostei muito. Se puder visitar meu site sobre regressao e terapia de vidas passadas , ficarei muito grato também. O end é http://www.espacoauryn.com .
    Abraçoss




Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s



%d bloggers like this: