Archive for the ‘David Bowie’ Category

E como é ser como tu? É ser metade quando se sente por inteiro? É ter ganas de chegar sempre na partida? Ou de partir sempre na chegada? É ser tormenta, vento veloz que sacode, acorda, fustiga? É ser profundo no toque, suave no embate? Como é ser como tu? É viver junto ao abismo e não mergulhar, não pela queda, mas por quem fazemos cair? É ser sombra que vagueia pelas paredes imaginárias que se estendem no vácuo? Ou és mais do que sombra? Esta não tem toque, não tem cheiro, não tem calor, não tem sabor. Quero-te. Mais do que sombra. Mais que do que imagem. Quero-te Ser. E agora?
[Palavras gentis de gente amiga]

Sou apenas um homem engomado. Um animal que respira. De vez em quando, tiro as máscaras e lavo a alma. Mas é raro. O que sou é o que se vê. Sou a superfície de mim mesmo. Sem tirar nem pôr. E isso depende do local. Da luz. Da circunstância. Sou, assim, um ser circunstancial.
OlhO de Misha Gordin

Anúncios